Você está na página: Home / Notícias / Feijão pode seguir caro mesmo com importação último trimestre de 2016; governo reduziu alíquota

Notícias

27/06/2016

Feijão pode seguir caro mesmo com importação último trimestre de 2016; governo reduziu alíquota

Mesmo com a redução à zero da alíquota do feijão, de qualquer país, pelo prazo de 90 dias, o grão tende a seguir caro para o consumidor.

Mesmo com a redução à zero da alíquota do feijão, de qualquer país, pelo prazo de 90 dias, o grão tende a seguir caro para o consumidor. Os motivos são o dólar e tributação no mercado interno. A maior queda na produtividade do grão na safra 2015/2016 foi constatada nos Estados da região Centro-Sul. Somente em Mato Grosso o recuo na produtividade ante a safra passada chega a 39,1%.

A redução de 10% para zero da alíquota da Tarifa Externa Comum (TEC) foi aprovada na quinta-feira, 23 de junho, pelamara de Comércio Exterior (Camex), após pedido do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

A redução da alíquota para a importação foi solicitada após alta do preço do grão no mercado interno, principalmente do feijão carioca, que corresponde a mais de 70% do consumo brasileiro. Conforme o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referente a maio, o feijão carioca em 2016 apresentou alta de 33,49% e no acumulado dos 12 meses 41,62%. o feijão-mulatinho 37,44% em 2016 e 48,79% nos 12 meses.

De acordo com o Ministério da Agricultura, países do Mercosul, como Paraguai e Argentina, têm alíquota zero e, portanto, acesso livre ao mercado brasileiro, como Paraguai e Argentina, têm alíquota zero e, portanto, acesso livre ao mercado brasileiro. As principais opções de fornecedores do grão são a China, EUA, Etiópia e Canadá, que estão entre os maiores exportadores mundiais.

"Agora, com a alíquota zero para países fora do Mercosul, o Brasil vai ampliar as opções de importação do produto para aumentar a oferta no mercado interno e reduzir os preços", disse o ministro Blairo Maggi.

O dólar e a tributação no mercado interno é quem ditarão os preços do feijão ao consumidor brasileiro, segundo o economista Edisantos Amorim. A previsão é que os preços possam apresentar recuo em meados do último trimestre de 2016. "Existe, além do dólar, que hoje oscila, todo um tipo de pressão no mercado interno. É preciso rever a questão da tributação no país para o produto".

Veja também:

24/07/2019
Economia começa a reagir para gerar empregos, mas a paciência dos brasileiros está no limite

24/07/2019
Com pouca soja disponível, produtor brasileiro tende a segurar vendas para o último trimestre. Safra nova só acima de

24/07/2019
Colheita do milho safrinha avança para 65% no Paraná segundo o Deral

24/07/2019
Soja sobe em Chicago nesta 4ª feira se recuperando de duas sessões no vermelho

16/04/2018
Milho: Com foco no clima e na safra americana, mercado encerra semana com leves quedas na CBOT

Veja mais

Voltar | Topo | Home

Agrológica
Unidade 1 - Primavera do Leste - MT - Avenida São Paulo, 1130 – Distrito Industrial - 66 3500 6300
Unidade 2 - Rondonópolis - MT - Av. Bonifácio Sachetti, 1896 - Distrito Industrial Augusto B. Razia - 66 3423 2249
Unidade 3 - Lucas do Rio Verde - MT - Avenida da Produção, Parque das Emas II, 2620 W - 65 3549 5464
Unidade 4 - Nova Mutum - MT - Av. Perimetral das Samambaias, 1920-W - Parque das Águias - 65 3308 4600
Unidade 5 - Confresa - MT - BR 158, Lote 5, Qd 01 - Residencial Babinski ll - 66 3508 1028
Unidade 6 - Sorriso - MT - Av. Dr. Ari Luiz Brandão, 1514 - Bairro Industrial Nova Prata - 66 3545 1494