Você está na página: Home / Notícias / MT: área de refúgio é adotada pela maior parte dos produtores de milho

Notícias

13/04/2015

MT: área de refúgio é adotada pela maior parte dos produtores de milho

A adoção da área de refúgio nas lavouras de milho está sendo adotada na safra 2014/2015 pela maior parte dos produtores rurais.

  • A recomendação da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) e Embrapa da necessidade de adoção da área de refúgio nas lavouras de milho está sendo adotada na safra 2014/2015 pela maior parte dos produtores rurais que estão sendo visitados pelas equipes do Circuito Tecnológico Etapa Milho.

 A chamada área de refúgio consiste em uma porcentagem do total da área da lavoura, plantada sem nenhuma tecnologia Bt. Ela, que não é obrigatória, é essencial para evitar que as lagartas se tornem resistentes às tecnologias do cultivar, o que poderia provocar infestações da praga e dificultar o controle.
 
Segundo o especialista em controle de pragas da Embrapa, Rafael Pitta, no ano passado, durante a realização da primeira edição do Circuito Tecnológico - Etapa Milho, muitos produtores não estavam utilizando a área de refúgio. O que, de acordo com ele, resultou no aumento do número de tecnologias que estão perdendo a eficiência no combate a lagarta de cartucho.
 
"Nós estamos percebendo durante as visitas às propriedades que algumas tecnologias que funcionavam na safra passada esse ano começaram a sofrer aumento nos danos pela lagarta. Ou seja, estamos caminhando para ter falha dessas tecnologias. Por enquanto, está controlado, mas é preciso que seja adotado a área de refúgio para barrar isso", disse Pitta.
 
O agricultor Gilberto Gasparelo, de Alto Garças, disse que está é a primeira vez que está adotando a área de refúgio. "Vou continuar aderindo a essa recomendação. pude perceber na lavoura que algumas tecnologias "quebraram" e é que percebemos a importância de ajudar a manter as tecnologias que nos auxiliam", contou.
 
"A não adoção vai favorecer a quebra de resistência do milho Bt e precisamos retardar isso. Este ano nós estamos percebendo que os produtores começaram a sentir as consequências negativas que a ausência da área de refúgio pode causar em suas lavouras e começaram a atender as nossas recomendações", completou o supervisor de projetos da Aprosoja, Murilo Alves.

Fonte FMC NEWS 

Veja também:

11/12/2017
Programa Talentos em Campo Syngenta

06/10/2017
Veja os conceitos do produtor que colheu mais de 100 sacas de soja por hectare

06/10/2017
Mapa lista 20 pragas mais importantes que não chegaram ao Brasil

06/10/2017
Cresce importância do fungicida multissítio contra ferrugem

06/10/2017
Funrural: Receita Federal lança cobranças de 2,3% e atropela resolução do Senado

Veja mais

Voltar | Topo | Home

Agrológica
Unidade 1 - Primavera do Leste - MT - Avenida São Paulo, 1130 – Distrito Industrial - 66 3497 1600
Unidade 2 - Rondonópolis - MT - Av. Bonifácio Sachetti, 1896 - Distrito Industrial Augusto B. Razia - 66 3423 2249
Unidade 3 - Lucas do Rio Verde - MT - Avenida da Produção, Parque das Emas II, 2620 W - 65 3549 5464
Unidade 4 - Nova Mutum - MT - Av. Perimetral das Samambaias, 1920-W - Parque das Águias - 65 3308 4600
Unidade 5 - São José do Xingu - MT - Avenida Principal, 01 - Distrito Santo Antônio do Fontoura - 66 3508 1028
Unidade 6 - Sorriso - MT - Av. Dr. Ari Luiz Brandão, 1514 - Bairro Industrial Nova Prata - 66 3545 1494