Você está na página: Home / Notícias / Com garantia de oferta, tendência é de queda nos preços do milho no mercado interno

Notícias

04/08/2016

Com garantia de oferta, tendência é de queda nos preços do milho no mercado interno

Quem optar por manter os estoques de milho projetando ganhos no mercado poderá ver sua estratégia frustrada.

Quem optar por manter os estoques de milho projetando ganhos no mercado poderá ver sua estratégia frustrada. A avaliação é da área técnica do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que calcula um estoque de passagem do cereal de 4,47 milhões de toneladas em 31 de janeiro de 2017. Como produto para ofertar, a tendência é que os preços venham a cair.

De acordo com o quadro de oferta e demanda da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção da temporada 2015/2016 é de 69,14 milhões de toneladas. As exportações devem chegar a 22 milhões de toneladas, o consumo interno a 54,67 milhões de toneladas e as importações, 1,5 milhão de toneladas. Ou seja, um estoque de passagem de 4,47 milhões de toneladas.

As perspectivas para o segundo semestre deste ano reforçam a avaliação dos técnicos do Mapa. Eles apontam seis fatores que deverão resultar no recuo das cotações de milho no mercado interno:

1.As importações brasileiras, sobretudo do Mercosul, deverão aumentar, principalmente para a regiões Sul e Nordeste. De janeiro a junho deste ano, foram importadas 542,5 mil toneladas, contra 173,3 mil toneladas em igual período do ano passado.
2.A redução de oferta na primeira safra e a expectativa de queda na segunda exerceu uma pressão de alta na formação dos preços, provocando uma retenção de venda pelos produtores.
3.Além disso, o crescimento 180% nas exportações de janeiro a abril de 2016 (12,24 milhões de toneladas), em relação ao mesmo período do ano passado (4,3 milhões de toneladas), reforçou a pressão existente.
4.O comportamento atual de preços, superiores à paridade de exportação, induz operações de recompras de contratos de vendas externas pelas tradings para direcionar ao mercado interno, aumentando a oferta.
5.Ao mesmo tempo, as exportações de milho nos meses de maio, junho e julho têm sido muito inferiores aos volumes do mesmo período do ano passado. Até agora, foram exportadas apenas 250 mil toneladas de milho, sendo que em julho de 2015 foram embarcadas 1,28 milhão de toneladas.
6.A paridade de importação de milho da Argentina e Paraguai tem sido viabilizada para as regiões Sul e Nordeste. Hoje, o milho argentino chega aos portos brasileiros em torno de R$ 44 no Sul e R$ 52 na Região Nordeste (a saca de 60 quilos).

Veja também:

24/07/2019
Economia começa a reagir para gerar empregos, mas a paciência dos brasileiros está no limite

24/07/2019
Com pouca soja disponível, produtor brasileiro tende a segurar vendas para o último trimestre. Safra nova só acima de

24/07/2019
Colheita do milho safrinha avança para 65% no Paraná segundo o Deral

24/07/2019
Soja sobe em Chicago nesta 4ª feira se recuperando de duas sessões no vermelho

16/04/2018
Milho: Com foco no clima e na safra americana, mercado encerra semana com leves quedas na CBOT

Veja mais

Voltar | Topo | Home

Agrológica
Unidade 1 - Primavera do Leste - MT - Avenida São Paulo, 1130 – Distrito Industrial - 66 3500 6300
Unidade 2 - Rondonópolis - MT - Av. Bonifácio Sachetti, 1896 - Distrito Industrial Augusto B. Razia - 66 3423 2249
Unidade 3 - Lucas do Rio Verde - MT - Avenida da Produção, Parque das Emas II, 2620 W - 65 3549 5464
Unidade 4 - Nova Mutum - MT - Av. Perimetral das Samambaias, 1920-W - Parque das Águias - 65 3308 4600
Unidade 5 - Confresa - MT - BR 158, Lote 5, Qd 01 - Residencial Babinski ll - 66 3508 1028
Unidade 6 - Sorriso - MT - Av. Dr. Ari Luiz Brandão, 1514 - Bairro Industrial Nova Prata - 66 3545 1494